segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Afastar bronquite e pneumonia com vacinação


Com o Inverno vem o frio, mudanças bruscas no clima e também algumas surpresas desagradáveis, como a pneumonia, a doença certamente não sazonal, mas nos últimos meses sabe um pico de incidência. Cada ano, somente na Itália, são hospitalizadas por pneumonia e quase 150 mil pessoas, segundo a 'Organização Mundial da Saúde, nos próximos anos vai ver um "propagação destas formas infecciosas. Grande parte da responsabilidade do "aumento da pneumonia é devido ao 'aumento da idade média da população e os muitos pacientes com doenças crônico-degenerativas ou tratamento com drogas imunossupressoras, como a cortisona. O diagnóstico de pneumonia não é difícil pedir, mesmo que às vezes a falta de sintomas pode ser enganosa (você pode ter pneumonia com febre pouco ou nenhum). Na maioria dos casos o cuidado é em casa, apenas em casos mais graves torna-se necessário, a avaliação de internação médica. Tudo isso não deve ser enganosa, a pneumonia é uma doença grave, ser tratado com cuidado e complicações que podem ser muito difíceis de gerir, melhor cuidar bem e evitar "problemas". A pneumonia é geralmente cicatriza perfeitamente e sem "cicatrizes", mas um período de licença para trabalho, descanso e recuperação em casa é essencial para voltar à forma de antes. Para evitar que uma vacina que pode ser levado em consideração é que, por Streptococcus pneumoniae (pneumococo), um germe frequentemente responsável por bronquite e pneumonia. Esta vacina, cuja eficácia em adultos tem uma duração de cinco anos, é indicado em pacientes com doenças crônicas, como 'asma, bronquite crônica, o "cardio-pulmonar enfisema, diabetes, em indivíduos esplenectomizados (sem baço), em pacientes internados em instalações de cuidados de longa duração e em todos os sessenta acabou. A tão falada terapias imunomoduladoras, preventiva e os chamados "capacitar as defesas do 'body', mas não têm, até agora, nenhuma evidência documentada científica. Não pode ser vacinados em contato com seu clínico geral ou distritos da "ASL

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Resíduo de comida preso no pulmão pode causar pneumonia ou bronquite

Logo depois do Bem Estar desta quinta-feira (14), a pediatra Ana Escobar e o pneumologista José Eduardo Afonso Júnior responderam às principais perguntas dos internautas sobre engasgo.

Segundo a doutora Ana, quando for feita a manobra de Heimlich em crianças acima de 1 ano, nunca se deve apertar a região das costelas, mas a área entre o umbigo e o diafragma. Quando o bebê engasga com líquido, pode-se sugar o nariz dele, mas os cinco tapinhas nas costas são essenciais.

Enfiar a mão na boca da criança, com os dedos em forma de pinça, deve ser feito apenas se os pais ou responsáveis enxergarem o corpo estranho. Se o menor estiver chorando ou tossindo, não se deve fazer nada, pois ele ainda está respirando e o ar está passando. Caso a pessoa mexa nisso, pode haver uma obstrução total -aí o recomendado é procurar um hospital.

A médica disse que grávidas também podem receber a manobra de Heimlich, mas, em estágios mais avançados da gestação, deve-se comprimir o centro do osso esterno, acima da barriga – já que esta não pode ter pressão.

Travesseiros especiais, antirrefluxo, ajudam a inclinar o bebê e a evitar engasgos. Além disso, a criança deve dormir de barriga para cima, com a fralda mais solta e a cabeça de lado. E deitar perto da criança, principalmente nos primeiros três meses, pode evitar surpresas desagradáveis. O bebê não deve dormir de bruços porque há estudos que associam essa posição a mortes súbitas durante a noite.

Na gravidez, as mulheres podem engasgar com mais frequência porque toda a dinâmica interna do corpo muda e o pulmão não se expande tanto. A dica é comer com calma, mastigar bem e não falar ao se alimentar.

As crianças que começam a ingerir pedacinhos de frutas e outras comidas precisam aprender a engolir sem se engasgar. O ideal é começar dando raspadinhas (de mamão, pera, maçã ou banana), e cuidar para não oferecer pedaços grandes ou ter pressa de que elas terminem a refeição.

De acordo com José Eduardo, não há como engolir um alimento que causa o engasgo, pois ele está preso nas vias respiratórias, a não ser que ele vá para o esôfago depois da manobra de Heimlich.

Resíduos de comida presos nos pulmões podem causar pneumonia ou bronquite, chiado no peito ou fazer com que o órgão murche. Uma infecção pode levar dias para aparecer, mas, se houver suspeitas, o médico deve examinar a pessoa ou pedir alguma radiografia. Se for comprovada a presença de um corpo estranho, é feita a retirada no hospital.

O pneumologista afirmou, ainda, que é possível que resíduos alimentares pontiagudos (como osso de frango ou espinha de peixe) perfurem mucosas do esôfago, estômago ou intestino e provoquem infecções graves.

O especialista explicou que refluxo é quando o conteúdo do estômago volta para o esôfago, até o meio do tórax ou até a garganta. O problema pode causar engasgo, mas em geral causa apenas azia e queimação.

Se o idoso engasgado conseguir tossir, deve forçar a tosse e ser encaminhado para atendimento médico. Caso ele não consiga, deve ser feita a manobra de Heimlich, pois o indivíduo pode perder a consciência e ter uma parada cardiorrespiratória em poucos minutos. Nessa idade, os que não se alimentam sozinhos devem comer sempre com o tronco reto e ingerir coisas pastosas (sopas e purês).

Para evitar o engasgo, é preciso evitar falar ou rir ao comer, não usar bebida alcoólica e drogas nem comer deitado. Pôr a vítima de cabeça para baixo é mais difícil no caso de um adulto, e abaixar-se com o tronco na horizontal pode ser eficaz.

Por fim, o médico diferenciou engasgo de apneia do sono, cujos sintomas podem ser confundidos durante a noite. Ele disse também que pessoas com síndrome de ansiedade costumam ter sensações permanentes de engasgo, que não têm um motivo anatômico.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Crises de bronquite são comuns no inverno

Crises de bronquite são comuns nesta época do ano não só em humanos como também em animais de estimação. Segundo a médica veterinária Lara Edna Santana, cães de todas as raças podem ter a doença, mas os filhotes e os idosos têm maior pré-disposição.

Segundo a veterinária, os sintomas da bronquite em animais de estimação são os mesmos apresentados em humanos. “O cão apresenta dificuldade para respirar e tosse”, disse.

Há dois anos, o poodle Nick, 6 anos, teve sua primeira crise. Sua dona, a advogada Marcela Amaral, afirma que eles estavam em uma chácara e o pet passou boa parte da noite brincando no sereno. “Quando acordei, percebi que ele puxava o ar, estava com a língua roxa e o peito chiava como se fosse de gente. Corri com ele para o veterinário, que diagnosticou a bronquite”, disse.

Quando está em crise, Nick precisa fazer nebulização três vezes ao dia com medicamentos para combater a doença. “Tomamos alguns cuidados para que ele não entre em crise. O Nick não fica na friagem, o pessoal do pet shop que ele frequenta já sabe que o banho e a escovação do pelo precisam ser rápidos e tanto a cama quanto o cobertor dele são lavados toda semana para não acumular poeira”, disse Marcela Amaral.

Quando chega crianças à casa da advogada, o cão é trancado para evitar que fique estressado. “As crianças gostam de brincar e ele não aguenta. Ele é o xodó da casa. Todos da família fazem o que for preciso para garantir a qualidade de vida dele”, afirmou.

Bronquite alérgica é mais difícil de ser tratada

A veterinária Lara Edna Santana afirma que a bronquite é uma doença comum nos períodos de seca. “Quando a umidade relativa do ar é muito baixa, temos diferenças de temperaturas muito grandes, muito calor durante o dia e frio a noite. O choque de temperatura deixa os brônquios do pulmão mais suscetíveis à inflamações”, disse.

De acordo com a veterinária, se a doença for de origem viral, pode ser prevenida com vacina contra a traqueobronquite. “Já a bronquite de origem alérgica é mais complicada de prevenir porque ainda não dispomos de testes alérgicos eficientes. Dificilmente conseguimos detectar a causa da alergia”, disse.

A veterinária afirma que para evitar crises o animal deve dormir em um local aquecido, não deve ficar em locais úmidos e com mofos e deve viver em um ambiente limpo e arejado. A atividade física na água também é indicada, quando o cão não está em crise. “Qualquer sintoma de falta de ar ou tosse o dono deve procurar um veterinário. O tratamento é feito com antibióticos e antiinflamtórios”, afirmou Lara Santana.

Outras doenças comuns em cães nesta época do ano:

• Rinite
• Conjuntivite
• Cinomose
• Gripe Canina

domingo, 1 de agosto de 2010

Chá para Bronquite

Você sabe como preparar um chá?
Os métodos mais usados na manipulação das ervas são: INFUSÃO E DECOCÇÃO
Na Infusão, a planta é colocada em um recipiente de louça e despeja-se água em início de fervura. Em seguida, abafa-se e mantém em repouso por, no mínimo, 10 minutos. A mistura deve ser coada antes do uso. O abafamento é importante, principalmente quando se utilizam folhas e flores, assim evita-se a perda dos princípios ativos das plantas.
á na Decocção: A erva ou planta deve ser colocada em um recipiente, de preferência de vidro, com água fria. Em seguida, com o recipiente semi-tampado, ferve-se por 10 a 15 minutos.
Quanto mais dura a parte da planta utilizada, maior o tempo de fervura. Recomenda-se deixar repousar por 10 minutos com o recipiente tampado, coando-se a mistura em seguida.

Este método é indicado para sementes, cascas de árvores e frutas.
Mas você sabe como obter o máximo de benefícios?
Eles podem ser tomados em temperatura quente no caso de resfriados e bronquite, mornos para insônia e finalidade relaxante e, frios ou gelados para problemas estomacais ou diarréias.

O efeito de um chá é maior quando ele é tomado em jejum ou minutos antes do sono.
Procure não deixar colheres dentro do líquido e nunca reaproveite um chá preparado, de um dia para o outro.

domingo, 3 de janeiro de 2010

Bronquite Asma

A asma é uma doença que determina crises de falta de ar, ocorrendo dificuldade na entrada do ar nos pulmões, e principalmente na sua saída. Esta dificuldade é conseqüência de um processo inflamatório crônico das vias aéreas, tendo como conseqüência a liberação de certas substâncias que determinam a contração dos músculos que envolvem os brônquios, estreitando a sua luz e causando a dificuldade na respiração. O estreitamento das vias aéreas (broncoconstrição) é geralmente reversível, porém, em pacientes com asma crônica, a inflamação pode determinar obstrução irreversível ao fluxo aéreo. Embora os conhecimentos sobre muitos aspectos da doença tenham avançado nas últimas duas décadas, as causas fundamentais da asma não são ainda conhecidas. (Animação - Aerocrine - Suécia)

Quais as principais características da asma?

São três as principais características:

1 inflamação crônica das vias aéreas;

2 parcial reversibilidade da obstrução ao fluxo do ar;

3 hiper-responsividade brônquica a uma variedade de estímulos.

O que é hiper-responsividade brônquica?

É o aumento da sensibilidade que ocorre nos brônquios dos pacientes com asma. Trata-se de uma sensibilidade excessiva, que determina uma exagerada capacidade de reagir à certas substâncias irritantes as quais o paciente é alérgico. É esta hiper-responsividade que vai determinar a inflamação e contração dos músculos que envolvem os brônquios. Outros estímulos não-alérgicos também determinam a hiper-responsividade como por exemplo a inalação de ar frio, o exercício e infecções virais do trato respiratório (p. ex. resfriado, gripe).